Linhas de ação

 

Cultura e Conhecimento

A cultura Mẽbêngôkre é considerada elemento chave e transversal à todas as ações da AFP. Nesta linha, estão compreendidas ações de promoção, valorização e difusão, interna e externa, da cultura Mẽbêngôkre, tanto em seus aspectos ditos tradicionais como na interface com o mundo externo, as novas tecnologias e formas de se relacionar com a sociedade. Para alcançar estes objetivos trabalhamos no desenvolvimento de processos formativos, como a formação em audiovisual e a formação complementar de professores indígenas, além de publicação de livros, materiais audiovisuais e realização de cursos, intercâmbios e eventos.

Gestão Territorial e Ambiental

O apoio às comunidades Mẽbêngôkre para o fortalecimento das estratégias de gestão territorial e ambiental de suas Terras sempre foi uma linha central de atuação da AFP, e o principal motivador para o surgimento da Associação, no início dos anos 2000. Consideramos que a proteção dos territórios é condicionante para que os indígenas possam viver bem e manter sua cultura e suas tradições por muitas gerações. Um aspecto central desta linha de ação é a formação de gestores ambientais e territoriais indígenas, que pretende ampliar o entendimento Mẽbêngôkre sobre as possibilidades e as ameaças à seus territórios, e capacitá-los e instrumentalizá-los para as diferentes maneiras de intervenção nas realidades locais com protagonismo e autonomia. A AFP realiza todos os anos sobrevoos e expedições indígenas de monitoramento por terra e pelos rios das terras Mẽbêngôkre e, junto a instituições parceiras tem acessado sistematicamente informações georreferenciadas de diferentes fontes sobre desmatamento, degradação florestal e focos de calor, qualificando e apurando estas informações para produzir materiais de apoio à nossas atividades. Após a publicação da PNGATI*, a AFP passou a buscar formas de atualizar e publicar os Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) das Terras Indígenas onde atua, de acordo com esta política pública.

* DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 : Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas – PNGATI

Atividades Produtivas e Geração de Renda

A AFP desenvolve diversas ações voltadas à autonomia alimentar e nutricional do povo Mẽbêngôkre, como estratégia fundamental para a garantia da qualidade de vida de suas comunidades, assim como para a manutenção do vínculo com a terra e de importantes elementos da cultura material e imaterial Mẽbêngôkre relacionados à suas atividades produtivas.
Apoiamos a estruturação de cadeias produtivas que promovam a geração de renda nas comunidades como forma de buscar a autonomia econômica de forma sustentável e reduzir a vulnerabilidade das comunidades no envolvimento com atividades predatórias e ilegais. Hoje, o foco principal está em produtos do extrativismo e do artesanato. Este trabalho envolve, entre outras ações, a capacitação para a adoção de boas práticas de manejo, adequadas tanto para garantir a sustentabilidade da exploração quanto para a qualidade do produto explorado, além de desenvolvimento de estratégias para uma gestão eficiente e transparente de cada negócio, certificações e outras formas de agregação de valor aos produtos e a busca de parceiros comerciais diferenciados.

Fortalecimento institucional e Político

O fortalecimento institucional da AFP passa necessariamente pelo protagonismo indígena e por um processo contínuo de formação e capacitação dos indígenas para que tenham uma melhor compreensão desta instância de representação e dos desafios e oportunidades atuais na relação da organização indígena com a sociedade de forma geral.
A AFP tem entre suas principais ações viabilizar o acesso à informação qualificada pelo Povo Mẽbêngôkre, de maneira que possam melhor planejar suas ações a partir da realidade do mundo atual, principalmente no âmbito político e econômico. Dentre as principais ações destacamos a promoção de reuniões gerais de caciques e lideranças, tanto do quadro da AFP – como as assembleias gerais – quanto os encontros envolvendo outras aldeias e territórios; a organização e viabilização da participação de comitivas Mẽbêngôkre em mobilizações políticas nacionais, como a Mobilização Nacional Indígena; a produção de conteúdo informativo sobre leis e proposições em trâmite no Congresso que ameacem seus direitos, e a formação política continuada.