RESERVA DE PESQUISA PINKAITI

O Pinkaiti é uma reserva de aproximadamente 8.000 ha localizada dentro do território da aldeia A’Ukre, a cerca de 12 km de distância da aldeia, na Terra Indígena Kayapó. Também conhecida como “Projeto Pinkaiti”, a reserva foi criada em 1992 em parceria com a Conservação Internacional (CI) como resposta à intensa exploração de mogno nos territórios Kayapó, que estava em seu auge naquele período. Atualmente a instituição responsável pela reserva do Pinkaiti é a Associação Floresta Protegida.

fig4

Figura 1. Limite nordeste do bloco contíguo das terras indígenas da etnia Kayapó. Em rosa estão representadas as áreas desmatadas. A localização da aldeia A’Ukre e da base de pesquisas do Pinkaiti estão representadas, respectivamente, pelo círculo e pelo triângulo amarelos. Áreas florestadas estão representadas em verde escuro e áreas de fisionomias abertas (ex. áreas de cerrado) ou de afloramentos rochosos estão representadas em verde claro.

Os principais objetivos da criação da reserva do Pinkaiti foram estabelecer uma área de contenção à exploração madeireira, permitindo assim a conservação, o estudo e o monitoramento a longo prazo de espécies presentes no território Kayapó, assim como prover à comunidade de A’Ukre uma alternativa econômica à exploração do mogno, que pudesse gerar renda de forma sustentável e beneficiar toda a comunidade, por meio da realização de pesquisas científicas tendo como pré-requisito a preservação da floresta.

Duas vezes por ano, um grupo de Kayapó realiza a manutenção da estrutura da base de pesquisa e do sistema de trilhas que dá acesso a diferentes regiões da reserva a partir da base.

fig_2

Figura 2. Mapa das trilhas da reserva do Pinkaiti.

Desde sua criação, diversas pesquisas e cursos vêm sendo conduzidos na reserva do Pinkaiti e na comunidade de A’Ukre. A realização destas atividades e a entrada de pesquisadores e visitantes à reserva do Pinkaiti só é permitida após a aceitação e/ou convite da comunidade de A’Ukre e a obtenção das autorizações necessárias à realização da atividade junto às autoridades competentes (FUNAI e, caso necessário, CNPq, IBAMA, CGEN e/ou Comitê de ética em pesquisa).

Para ver as publicações fruto das pesquisas conduzidas na reserva do Pinkaiti e em A’Ukre, veja este documento (PDF).

Em 2015 a AFP iniciou experiência de monitoramento de fauna em um barreiro na reserva do Pinkaiti através de camera trap, e alguns resultado deste trabalho podem ser vistos nas fotos abaixo.

Imagens relacionadas a este projeto: