PEQUI

A partir da demanda levantada pelas aldeias da Terra Indígena Las Casas (Tekrejarotire e Kaprankrere) durante o processo de construção do PGTA – Plano de Gestão Territorial e Ambiental – a AFP iniciou em 2015 um projeto piloto de comercialização do pequi (Caryocar brasiliense), com o objetivo de tornar o fruto do pequizeiro, hoje uma importante fonte de alimento durante safra, também em uma fonte de renda para estas comunidades. A TI Las Casas localiza-se em uma área de transição entre os biomas Cerrado e Amazônia, onde o Pequizeiro é uma ávore nativa e se apresenta em grande concentração. Esta TI não têm Castanha-do-Brasil (Bertholletia excelsa) e Cumaru (Dipteryx odorata) em seus territórios, estes que são importantes produtos extrativistas para a geração de renda das comunidades das Terras Indígenas Kayapó e Mankragnoti.

A AFP auxiliou a gestão da atividade como um todo, e viabilizou o escoamento e comercialização do produto, que ocorreu nas feiras livres do município de Marabá onde foi comercializado um de total 9.450 kg do fruto. Parte da produção foi adquirida pela AFP para distribuição nas CASAI – Casa de Saúde Indígena – dos municípios de Ourilândia do Norte, Tucumã e São Félix do Xingu.

Outra iniciativa relacionada ao pequi é a produção de mudas dessa espécie a partir de troca de sementes de Castanha-do-Brasil produzida pelas comunidades da TI Kayapó com sementes de Pequi produzidos pelas comunidades Kayapó da TI Capoto/Jarina do Mato Grosso. Essa ação tem como principal objetivo introduzir o pequizeiro nas comunidades onde essa espécie não ocorre naturalmente, mas que outrora foi de grande importância na dieta do povo Mebengokre.

Imagens relacionadas a este projeto: